Bagé, 06 de dezembro de 2021 - Jose Walter Lopes Advogados Associados S - contato@josewalterlopesadvogados.com.br - (53) 32411198
INICIO | ARTIGOS | ALBUM | FALE CONOSCO | ADVOGADOS ASSOCIADOS | QUALIFICAÇÕES |
 CANAIS
 :: Administrativo
 :: Advocacia
 :: Artigos Publicados
 :: CORRESPONDÊNCIAS - AVISOS
 :: CORRRETOR
 :: DECISÕES IMPORTANTES
 :: DESCONTRAINDO
 :: ELEIÇÃO 2009
 :: EM DEFESA DA ÉTICA E DA MORAL
 :: Habitacional
 :: Imprensa
 :: Leis - Regulamentos
 :: Notícias em Geral
 :: Novidades Jurídicas
 :: OAB EM AÇÃO
 :: PALESTRAS -
 :: Por que este Blog
 :: Prédios Históricos B
 :: PREPAR PARA
 :: Projetos de Leis
 :: PROVÉRBIOS POPULARES
 :: Reflexões
 NOVIDADES JURíDICAS - 19/12/2009      
TRABALHO EM ÁREA DE RISCO POR 5 MIN AO DIA GERA DIREITO AO ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

Trabalho em área de risco por cinco minutos ao dia gera direito a adicional de periculosidade

 

A Companhia de Bebidas das Américas –Ambev e a J M Empreendimentos Transporte e Serviços foram condenadas ao pagamento de adicional de periculosidade a um empregado que trocava cilindros de gás duas vezes ao dia. Esta decisão acabou prevalecendo, após a Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho dar provimento a um recurso de revista interposto pelo trabalhador, restabelecendo a sentença do juiz de primeiro grau que havia sido reformada por decisão regional.

No caso, o Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO), ao julgar recurso da empresa, entendeu que a exposição do empregado ao perigo ocorria em tempo extremamente curto, uma vez que ele levava apenas cerca de dois minutos e trinta segundos em cada operação de troca do gás – e com esses fundamentos, reformou a sentença de primeiro grau, o que levou o trabalhador a apelar ao TST. Entre outras razões, alegou haver comprovação por meio de laudo pericial de que o trabalho se dava em condições perigosas de forma intermitente.

O relator do recurso de revista na Sexta Turma, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, conheceu do recurso por contrariedade à Súmula 364 do TST, que estabelece: “Faz jus ao adicional de periculosidade o empregado exposto permanentemente ou que, de forma intermitente, sujeita-se a condições de risco. Indevido, apenas, quando o contato dá-se de forma eventual, assim considerado o fortuito, ou o que, sendo habitual, dá-se por tempo extremamente reduzido”

Ao julgar o mérito da questão, o ministro observou que o laudo pericial constatou que o trabalhador expunha-se ao risco duas vezes por dia, cada uma delas de 2 minutos e 30 segundos, o que soma aproximadamente 5 minutos em área de risco e desconfigura a hipótese de permanência por tempo extremamente reduzido, como havia sustentado a empresa.

A “questão é muito subjetiva para se estabelecer o que é tempo reduzido e o que não é tempo reduzido”, manifestou o ministro Aloysio na sessão de julgamento do recurso do empregado. O certo é que nos termos da Súmula 364 o adicional é devido ao empregado “exposto permanentemente ou que, de forma intermitente, sujeita-se a condições de risco”, informou o relator. A decisão foi por unanimidade. (RR-145-2007-051-18-00.0)

(Mário Correia)

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte
Assessoria de Comunicação Social Tribunal Superior do Trabalho
imprensa@tst.gov.br0

 

 Informativo
Cadastre-se e receba nosso informativo.
 Nome:
 
 Email:
 
  
 Links Úteis
Copyrigth @ 2006-2009 // Desenvolvido por Network Sistemas
Rua Hipólito Ribeiro 251 E / 99760286 / 96400-431
Bagé - RS / Tel. (53) 99760286
Contador de visitas