Bagé, 12 de abril de 2021 - Jose Walter Lopes Advogados Associados S - contato@josewalterlopesadvogados.com.br - (53) 32411198
INICIO | ARTIGOS | ALBUM | FALE CONOSCO | ADVOGADOS ASSOCIADOS | QUALIFICAÇÕES |
 CANAIS
 :: Administrativo
 :: Advocacia
 :: Artigos Publicados
 :: CORRESPONDÊNCIAS - AVISOS
 :: CORRRETOR
 :: DECISÕES IMPORTANTES
 :: DESCONTRAINDO
 :: ELEIÇÃO 2009
 :: EM DEFESA DA ÉTICA E DA MORAL
 :: Habitacional
 :: Imprensa
 :: Leis - Regulamentos
 :: Notícias em Geral
 :: Novidades Jurídicas
 :: OAB EM AÇÃO
 :: PALESTRAS -
 :: Por que este Blog
 :: Prédios Históricos B
 :: PREPAR PARA
 :: Projetos de Leis
 :: PROVÉRBIOS POPULARES
 :: Reflexões
 NOTíCIAS EM GERAL - 12/12/2009      
PIADAS DEPRECIATIVAS DE MUNIQUE EVANS DÁ DANO MORAL PARA SEU CÂMARA

RedeTV! indenizará câmera por ser alvo de piadas de Monique Evans


A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da RedeTV!(TV Ômega) contra condenação ao pagamento de indenização por dano moral a um operador de TV do programa “Noite Afora” que era alvo de piadas veiculadas em rede nacional. A Turma considerou grave o dano causado ao operador – apelidado de “Todinho” ou “Nescauzinho” porque, segundo a apresentadora do programa, Monique Evans, “é marronzinho e tem um canudinho pequenininho” - e manteve a condenação, no valor de R$ 5 mil.

O operador foi contratado em 1999 e demitido em 2003. Em abril de 2002, passou a trabalhar na gravação do programa “Noite Afora”, que ia ao ar de madrugada. Na inicial da ação trabalhista, explicou que o programa tinha “grande apelo erótico, com entrevistas relacionadas a sexo e fantasias eróticas, desfile de lingerie e roupas íntimas, strip teases e exposição de objetos sexuais.” Ainda de acordo com o operador, a apresentadora passou a usar os funcionários da equipe de gravação nas suas brincadeiras durante o programa. Além de ser alvo de piadas, era levado a participar de quadros “com modelos seminuas”. Informou que, sob pena de demissão, foi pressionado a assinar termo que autorizava a apresentadora a fazer qualquer tipo de “brincadeira” durante as gravações e exibi-las no programa.

Esses fatos, alegou, causaram grave crise em seu casamento e em suas relações familiares. Religioso e freqüentador da paróquia de sua vizinhança, o operador afirmou que “a imagem de homem sério e respeitado que sempre teve junto aos seus começou a desmoronar”, e que alguns amigos e parentes se afastaram, “envergonhados de estarem próximos a uma pessoa ligada à luxúria”. A sentença da 1ª Vara do Trabalho de Barueri (SP) condenou a TV Ômega a pagar indenização por dano moral no valor de R$ 5 mil, decisão mantida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) – que, em seguida, negou seguimento a recurso de revista da empresa.

No agravo de instrumento endereçado ao TST, a TV Ômega sustentou que, de acordo com as testemunhas ouvidas no processo, o operador não se sentiria ofendido com os apelidos, pelo qual já seria conhecido antes de aparecer no programa. O relator, ministro Walmir Oliveira da Costa, observou que o TRT julgou comprovado o constrangimento público do empregado, não contestado pela empresa, “devido ao tratamento depreciativo que lhe dispensava a apresentadora ao referir-se à sua cor e a seu órgão sexual”.
A Justiça do Direito Online
TST
Correio Forense - http://www.correioforense.com.br/noticias/noticia_na_integra.

 

 Informativo
Cadastre-se e receba nosso informativo.
 Nome:
 
 Email:
 
  
 Links Úteis
Copyrigth @ 2006-2009 // Desenvolvido por Network Sistemas
Rua Hipólito Ribeiro 251 E / 99760286 / 96400-431
Bagé - RS / Tel. (53) 99760286
Contador de visitas